Modalidades

O regulamento completo de cada modalidade está disponível no site: www.cbc.esp.br

Mountain Bike

Cross Country sobre circuito curto ou “SC” (corrida curta)

O percurso de uma prova de cross country denominada “curta” terá no máximo 6 Km por volta. A largada e chegada serão no mesmo ponto. Disputada em todo o tipo de terreno com obstáculos naturais e/ou artificiais.

DESCIDA ou “DH” (DOWN HILL)

O percurso deverá apresentar setores de diferentes tipos: pistas estreitas e largas, trechos em matas, pistas campestres, locais pedregosos. Deverá ter também trechos técnicos e rápidos. Mais do que trechos com capacidade dos corredores pedalarem, deverá prevalecer sua habilidade técnica. O ideal é que a distância mínima seja entre 1,5 Km e o máximo de 3,5 Km. O percurso de descida deve estar sinalizado por completo.

 

SUBIDA ou “HC” (HILL CLIMBING)

Corrida em linha que deve ter pelo menos 80% de subida. As largadas poderão ser feitas em grupo ou individualmente (contra o relógio). As provas começarão em um ponto e terminarão em outro localizado em uma parte mais alta.

  

4 CROSS ou “4X”

O 4 cross é uma competição que consiste em uma série de provas de eliminação onde quatro corredores classificados previamente se enfrentam sobre um percurso comum do tipo descida curta. O ganhador e o segundo de cada série são automaticamente classificados para a série seguinte. O terceiro classificado terá a possibilidade de entrar pela repescagem e o quarto será eliminado. A cronometragem não será levada em conta, salvo nas classificatórias.

  

SLALOM PARALELO ou “DS” (DUAL SLALOM)

O slalom paralelo é uma prova que consiste em uma série de provas eliminatórias, que opõe a dois corredores que se lançam simultaneamente sobre dois percursos paralelos de slalom.

  

CORRIDAS POR ETAPAS ou ‘SR” (STAGE RACE)

Corridas cujo resultado se calcula pela soma dos tempos realizados em várias provas (de uma mesma disciplina ou de tipos diferentes) que se disputa em três dias ou mais.

As provas por etapas maiores acontecem em cinco dias como mínimo e oito dias como máximo, incluindo um possível prólogo e um dia de descanso.

As provas por etapas menores acontecem entre três dias como mínimo e quatro dias como máximo, incluindo um possível prólogo.

Ciclismo em estrada

PROVAS EM ESTRADA DE UM DIA

As provas de um dia são disputadas por equipes.

  

PROVAS INDIVIDUAIS CONTRA O RELÓGIO

A saída acontece em uma rampa de lançamento.Os corredores saem em intervalos idênticos. Em qualquer caso, este intervalo pode ser aumentado para os corredores que partam nos últimos lugares.

  

PROVAS POR ETAPAS

As provas por etapas são disputadas sobre um mínimo de dois dias com uma classificação geral por tempos. São provas de etapas em linha e em etapas contra o relógio.

  

CRITÉRIOS

O critério é uma prova em circuito fechado à circulação e que se disputa seguindo uma das fórmulas seguintes:

1. Classificação na chegada da última volta.

2. Classificação sobre a base do número de voltas completas e do número de pontos obtidos nos sprints intermediários.

2.7.003 Se o critério converte diversos tipos de provas, a prova individual deverá correr-se em último lugar.

  

PROVAS INDIVIDUAIS

Uma prova individual é uma prova na qual participam exclusivamente corredores a título individual.

Ciclismo em pista

200 metros (Contra o relógio)

A prova de 200 metros contra o relógio é uma prova disputada contra relógio com partida lançada depois da linha dos 200 metros destinada a selecionar e classificar os participantes para a prova de velocidade .

Desenrolar da prova

Os corredores partem pela ordem determinada pelos comissários

O corredor entra em pista somente a partir do momento que o corredor anterior ultrapassá-lo. O cronômetro só pode ser acionado depois da passagem dele.

Velocidade

A prova de velocidade é uma prova disputada entre dois a quatro corredores em duas ou três voltas.

As provas são disputadas em três voltas nas pistas de 333,33 metros ou menos, e em duas voltas nas pistas com mais de 333,33 metros.

A posição de partida é determinada por sorteio. O corredor que tirar o número 1 deve partir do centro da pista .

A partida é dada através de um apito.

O corredor situado no centro da pista deve conduzir a competição até a linha de perseguição da contra meta, a menos que seja ultrapassado. Um máximo de dois surplaces está autorizado por prova. A duração máxima do surplace é de 30 segundos. Ao final do qual, o starter indicará ao corredor adiantado que continue. Se for o caso, o starter parará a prova e o outro corredor será declarado vencedor da série. Em uma prova de três ou quatro, a prova será reiniciada com dois ou três corredores sem o corredor desclassificado.

Durante o sprint final, mesmo se lançado antes dos últimos 200 metros, cada corredor deverá manter-se na sua linha até à chegada a menos que tenha um avanço significativo sem fazer qualquer manobra que possa impedir a passagem do adversário.

 

Perseguição individual

Dois corredores defrontam-se sob uma distância determinada. A partida é efetuada em dois pontos opostos da pista. É declarado vencedor, o corredor que alcance o outro corredor, ou que registre melhor tempo.

As provas disputam-se nas distâncias de:
– 4 km para Homens Elite
– 3 km para Mulheres Elite
– 3 km para Homens Juniores
– 2 km para Mulheres Juniores

Acidentes

Séries classificatórias

Na primeira meia-volta, em caso de acidente a corrida é parada e recomeçada imediatamente.

Após a primeira meia-volta, a corrida não pára. Um corredor vitimado por um acidente será autorizado a efetuar uma nova tentativa no fim das séries classificatórias. (Só, em contra relógio, ou em face de outro corredor que se encontre na mesma situação).

Um corredor não pode efetuar mais que duas partidas.

Nas finais

Se um acidente acontece antes do último quilometro (500 metros para juniores femininos), a corrida pára, e os corredores voltam a partir na sua posição num prazo de 5 minutos máximo:
– O corredor da frente parte da linha da sua última passagem à meia-volta;
– O outro corredor parte antes da linha oposta, a uma distância calculada pelo colégio de comissários, equivalente ao seu atraso na última passagem à meia-volta.
– Os corredores percorrem a distância que faltava até à distância total, no momento da última passagem à meia-volta antes do acidente.

O tempo final é obtido pela soma dos tempos parciais.

  

Perseguição por Equipes

Definição

Duas equipes de 4 corredores confrontam-se numa distância de 4 km. As equipes partem de dois pontos opostos da pista. É declarada vencedora a equipa que alcançar a outra ou a que registre o melhor tempo.

O terceiro corredor de cada equipe determina o tempo e a posição da equipe. O registro do tempo é feito sobre a roda da frente do terceiro corredor de cada equipe.

Uma equipe é alcançada logo que a equipe adversária (pelo menos três corredores rolando juntos) atinja uma distância igual ou inferior a um metro.

 

Quilômetro e 500 metros

A prova “quilômetro”, respectivamente “500 metros” é uma prova contra-relógio individual com partida parada.

  

Corrida por Pontos

A corrida por pontos é uma especialidade na qual a classificação final é estabelecida pelos pontos ganhos e acumulados pelos corredores nos sprints e por volta ganha.

Nas pistas de 250 ou menos os sprints intermediários disputam-se a cada 10 voltas.A prova será sempre corrida sobre um múltiplo de dez voltas. Nas outras pistas, os sprints intermediários disputam-se após cada número de voltas equivalente à distância mais aproximada de dois quilômetros, ou:
– todas as 7 voltas nas pistas de 285,714 m
– todas as 6 voltas nas pistas de 333,33 m
– todas as 5 voltas nas pistas de 400 m

São atribuídos 5 pontos ao primeiro corredor de cada sprint, 3 pontos ao segundo, 2 pontos ao terceiro e 1 ponto ao quarto.

Um corredor que ganhe uma volta em relação ao pelotão principal ganha 20 pontos.

Um corredor que perde uma volta em relação ao pelotão principal perde 20 pontos.

Em caso de igualdade nos pontos, o desempate será decidido pela melhor classificação no sprint final.

Antes da partida, a metade dos corredores é alinhada ao longo da balaustrada, enquanto a outra metade fica em fila indiana ao longo da corda.

A partida é dada com os corredores lançados, depois de uma volta neutralizada.

Os sprints desenvolvem-se segundo as regras do sprint das provas de velocidade.

É considerado ter ganho uma volta, portanto 20 pontos, quando um corredor alcança o último corredor do pelotão principal.

Os corredores com uma ou mais voltas de atraso poderão ser eliminados pelo colégio de comissários .

  

Keirin

Os corredores enfrentam-se em um sprint depois de ter completado um certo número de voltas atrás de um ciclomotor que deixa a pista 600/700 metros antes do fim.

  

Velocidade por equipes

A Velocidade por equipes é uma prova com séries formadas por 3 voltas na pista, opondo duas equipes de 3 corredores na qual cada corredor deverá liderar uma volta.

O corredor da frente lidera a primeira volta e passa para o exterior da pista, depois torna a descer para abandonar a pista, sem atrapalhar a outra equipa.

O corredor que estiver na segunda posição lidera a segunda volta, depois se afasta da mesma forma.

O terceiro corredor termina a terceira volta sozinho.

  

Madson

A corrida madson é uma prova disputada com sprints intermediários e corrida por equipes de 2 corredores.

A classificação é estabelecida com base na distância e nos pontos ganhos pelos corredores.

  

Scratch

A scratch é uma corrida individual numa distância determinada.

Os corredores ultrapassados pelo pelotão principal devem imediatamente abandonar a pista.

A classificação final será estabelecida no sprint final levando em conta as voltas ganhas.

  

Tandem

A especialidade “Tandem” é uma competição “velocidade” para tandems. Ela é organizada seguindo as regras da especialidade “velocidade”, salvo as disposições aqui apresentadas. Cada dupla de corredores é considerada como um só participante.

  

Meio Fundo

O meio fundo é uma corrida de pista em que cada corredor rola atrás de um treinador em motocicleta.

As provas de meio fundo podem desenrolar-se quer por um determinado período de tempo (1 hora), quer por uma distância fixa.

A classificação final é obtida pela soma dos pontos conquistados por cada corredor em duas séries. Em caso de ex aequo, o lugar na série mais rápida servirá de desempate.

  

Prova de eliminação

A prova de eliminação é uma prova onde o último corredor de cada sprint intermediário é eliminado.

Enduro de regularidade

Enduro de Regularidade é uma prova 100 % brasileira. Seus participantes precisam mais do que um bom par de pernas para chegar ao final.

Inspirados nos enduros para motos, criados pelos “trilheiros” de Minas Gerais na década de 70 – que por sua vez se inspiraram nos raid e rallies europeus-,os enduros para bicicletas ganharam força na década de 80, quando praticantes de BMX decidiram levar suas bikes para trilhas. As provas eram curtas (entre 8 e 10 quilômetros), sempre em locais de muito mato barro e trechos técnicos para colocar à prova a habilidade dos bikers.

Com o crescimento do mountain bike, algumas provas e campeonatos de enduro surgiram no Rio de Janeiro, Minas Gerais e em outros estados do país. Mas foi em São Paulo que a modalidade ganhou força, no começo dos anos 90, junto com o boom do MTB.

Em 1991, Décio Fantosi, ex-piloto de motocross e na época presidente do Trail Clube Verde Rosso, resolveu adaptar o enduro ao mountain bike. “O espírito era o mesmo do motocross. Pessoas que gostavam de fazer trilha, de verde e muita lama”, diz Fantozzi. Também em 1991, aconteceu o Enduro Pizza Hut, na Serra da Cantareira, região norte de São Paulo, organizado pela Copercom. Essas primeiras provas mostraram que a popularidade dos enduros competia em pé de igualdade com o cross country.

No enduro de regularidade, o importante é fazer o percurso num tempo determinado pela organização.”Aqui o que vale é a habilidade e atenção dos ciclistas nos pontos de referências e na planilha”, explica ele.A planilha é o “mapa do tesouro”. Nela estão todas as referências da trilha e o horário que o ciclista deve passar, naquele determinado quilômetro. Se o ciclista desviar a atenção, perder a referência ou virar a página errada da planilha, um abraço! As categorias do enduro de regularidade são três. Individual Masculino, Individual Feminino e Dupla. Em algumas competições o roteiro se divide em dois: Ligth (para os iniciantes) e Pró (para os que têm mais resistência). Mas dependendo de cada organizador isso pode variar.

A largada é dada para cada ciclista, ou dupla de 30 em 30 segundos. Para cada segundo atrasado, o competidor perde um ponto e para cada segundo adiantado perde três pontos. Passar com mais de 30 minutos de atraso, ou não passar por um Posto de Controle (PC), equivale a perder 1800 pontos.

Postos de Controle (PCs) são fiscais colocados em pontos estratégicos ao longo da trilha, para marcar a hora exata em que o ciclista passou naquele ponto. Os ciclistas não sabem onde vão ficar os PCs. Vence o enduro quem perder menos pontos.

A principal vantagem dos enduros é que neles podem competir atletas de todas as idades e níveis. Muitas vezes o preparo “intelectual” conta tanto quanto o preparo físico, o que é estimulante para quem está se iniciando no mountain bike.

Desde o surgimento do Mountain Bike no Brasil aconteceram várias competições. As mais importantes realizadas até hoje foram:

•  Taça Verde e Rosso de Regularidade – organizada pela Verde Rosso, de 1988 até meados de 1993 em Alphaville.

•  Enduro Pizza Hut – organizado pela Copercom na Serra da Cantareira em 1991.

•  Enduro da Antarctica – também organizado pela Copercom, no ano de 1992 em Campos do Jordão.

•  Enduro da Lua Minguante e enduro da Lua, todos na Serra da Cantareira e organizado pelo Mazinho Bender da Tribo do Pedal Selvagem.

•  Sampa Swatch & Bike – Um Enduro Cultural de Regularidade para Bicicletas organizado em 1994 pelo Nigth Bikers Clube do Brasil, com largada e chegada no Viveiro do Manequino no Parque do Ibirapuera.

•  Enduro do Sapo – Também organizado por Mazinho Bender em Mairiporã.

•  Enduro da República para Bicicletas – Enduro urbano, organizado pelo Sampa Bikers no ano de 1995, realizado na cidade de São Paulo, com concentração no Parque das Bicicletas.

•  Taça São Paulo de Enduro de Regulairdade – organizada pelo Sampa Bikers, durante a 1ª semana da Bicicleta, no ano de 1996.

•  MTB Caloi Enduro de Regularidade – organizado pelo Sampa Bikers de 1999 até 2001, com provas na trilha e na cidade.

•  Circuito Bike Action de Enduro de Regularidade – Organizado pelo Sampa Bikers em 2003, fazendo parte do Caloi Bike Festival.

Para quem gosta de aventura, mountain bike e competição, mas não possui o preparo físico de um campeão de cross country nem o arrojo de um corredor de down hill, os enduros de regularidade podem ser uma alternativa emocionante e inteligente para se divertir sozinho, com a família ou com os amigos.

Hoje no Brasil uma das poucas provas que ainda acontecem é a Copa Caloi de Enduro, organizado pelo Kaipira Trail Club do interior de São Paulo.

Informações sobre Enduro de Regularidade:

•  Sampa Bikers – 11 – 3045 2722 – www.sampabikers.com.br
•  Kaipira Trail Club – 19 – 3421 – 9658 – www.kaipira.com.br
•  Tribo do Pedal Selvagem – www.tribodopedalselvagem.com.br

PRóXIMA PEDALADA

Rota de Napoleão

- 03/06/2017 a 09/06/2017

X